Arquivo mensal: novembro 2012

O Náufrago e os não lugares

Sempre que assisto ao filme Náufrago,protagonizado por Tom Hanks, me coloco no lugar de seu personagem que fica sozinho em uma ilha no meio do nada. Sinto um incômodo ao pensar o que faria se estivesse ali, sozinha, sem ninguém para conversar, sem nada para fazer e porque não dizer, sem celular, sem internet, sem televisão.
A solidão enfrentada por Tom Hanks é a verdadeira ausência de pessoas ao seu redor. Mas se a gente pensar bem, estamos muito vezes solitários em um mundo cheio de gente e ” não lugares”.
Durante minha faculdade, ouvi a expressão ” não lugar” pela primeira vez. Achei até engraçado. O ” não lugar” é um conceito filosófico criado por Marc Augé e que significa um lugar oposto ao lar, á residência. São os espaços públicos de grande circulação, como por exemplo shoppings, estações de metrô, supermercados, etc. Muitas pessoas juntas, mas sem conhecer umas as outras, sem ter nenhum vínculo.
 Naufrago 2

Ás vezes é engraçado que durante o tempo em que se está no metrô por exemplo, a gente até pode ouvir duas pessoas conversando entre si e prestar atenção na conversa ou mesmo conversar com alguém por alguns minutos. Mas na hora de descer na sua estação ou quando a pessoa desce, são apenas desconhecidos e nada mais.
É assim que eu me sinto muitas vezes no meu trabalho. As pessoas lá não sabem minha história, não sabem se quer que me formei, que estou ali de passagem. Talvez seja o destino me dando a oportunidade de vivenciar o jornalismo na sua forma mais pura, observando as histórias e até mesmo participando delas em uma espécie de Revista Realidade para depois poder conta-las.

Anúncios

Rock, Um Lutador ( Rock, 1976)- Informações Básicas

Você sabia que o roteiro de Rock, um Lutador foi escrito pelo próprio Sylvester Stallone? Isso mesmo, o ator que interpreta Rock Balboa também escreveu o roteiro do filme. Aliás, Stallone foi indicado ao Oscar 1977 por este roteiro e também de melhor ator. Mas quem faturou estas estatuetas foram: Paddy Chayefsky por Rede de Intrigas e Peter Finch por Rede de Intrigas respectivamente. A inesquecível canção Gonna Fly Now) também foi indicada, mas perdeu para Evergreen do filme: Nasce uma Estrela ( que injustiça!).
Mas em compensação, Rock, Um Lutador faturou as estatuetas de melhor edição, para Scott Conrad, melhor diretor para John G. Avildsen; e o que é melhor de tudo, melhor filme.

Fonte: Site:www.cineplayers.com
1001 Filmes para ver Antes de Morrer- Editora Sextante

Rock Balboa- A grande virada número 3

Estou tão, tão cansada hoje. E o tempinho chuvoso aqui em Belo Horizonte pede cama, um cafezinho quente de manhã e um filminho a tarde. Mas ao contrário disso eu tenho que trabalhar todas as manhãs. Mas está bom se pensar que em janeiro terei minhas merecidas férias.
Mas chega de papo furado. Hoje vou falar de um lutador e sobretudo um vencedor: Rock Balboa. Um lutador de boxe amador e visto por muitos como um fracassado, sem muitas perspectivas de sucesso. Alguém até meio bobalhão do tipo que as pessoas não dão muita coisa por ele. É assim que está Rock Balboa no início da série de filmes: Rocky I – Um Lutador – 1976, Rocky II – A Revanche – 1979, Rocky III – O Desafio Supremo – 1982, Rocky IV – 1985, Rocky V 1990 e Rocky Balboa – 2006.

Mas ele na verdade é o tipo de pessoa que não se deixa abater. Que não se prende a convenções, que não tem medo de se expor e de pagar uns micos de vez em quando. Sua ingenuidade beira o ridículo. Mas ele segue lutando. Em uma das cenas do primeiro filme, Rock usa uma peça de carne ( ele trabalha em um frigorífico) para treinar boxe.
Impossível esquecer a cena em que sobe as escadas do Museu de Arte da Philadelphia ao som de Gonna Fly Now, de Bill Conti song. Impossível não rir e chorar ao ver um Rock todo quebrado com a cara toda amassada chamando sua amada Adrian após o combate final.
Rock Balboa nos mostra o lado puro da vida e os valores que devemos cultivar. ” Ele coloca em primeiro plano os valores da honra e da coragem”.É um exemplo de força para vencer obstáculos, mesmo quando tudo parece perdido.
Ao ouvir o Survivor tocar os primeiros acordes de Eye Of The Tiger, quem não tem aquela vontade de levantar e ir a luta? Mesmo que essa vontade dure apenas alguns minutos e a realidade bata a porta mais uma vez nos chamando para acordar do sonho.
“É o olho do tigre, é a emoção da luta”. E vamos em frente minha gente! Viva Rock Balboa!

Daniel Larusso: A grande virada número 2

Estou com muito, muito sono! Dia mais que cansativo e com uma leve depressão no fim da tarde. Mas agora estou melhor e pronta para escrever mais um capítulo da saga das grandes viradas no cinema.
Para hoje temos o incrível Daniel Larusso. Para quem não está ligando o nome a pessoa, é o personagem principal dos filmes The Karatê kid I,II e III. O primeiro filme foi lançado em 1984 e protagonizado por Ralph Macchio.
Vamos falar então de Daniel Larusso, um adolescente franzino que é obrigado a abandonar sua cidade natal e ir para um lugar desconhecido. Lá ele enfrenta todo tipo de adversidades juvenis, apaixonando-se inclusive pela ex namorada do valentão do colégio. Além do mais, suas condições financeiras não são muito favoráveis. Daniel apanha, apanha, apanha dos fortões da escola. Até conhecer aquele que mudaria sua vida, o Senhor Miyagi, (Pat Morita).
Aí meus amigos a coisa começa a mudar de figura. Larusso aprende métodos nada ortodoxos de karatê com um treinamento que inclui lavar carros, pintar paredes e se equilibrar em barcos. Quem se lembra do golpe “Limpa Assoalho”? Daniel acaba vencendo um torneio de luta. E claro, conquista de vez o coração da mocinha,Ali Mills (Elisabeth Shue). Daniel Larusso ganhou uma versão feminina no cinema. A saga ganhou ainda uma versão feminina, que eu nem me lembrava mais.O filme é de 1994 e é estrelado por Hilary Swank. E mais tarde ganhou uma versão pré- adolescente, com Jaden Smith, filho de Will Smith no papel título. Não preciso dizer que essas duas versões são ruins de doer. Aliás, bom mesmo é só Karatê Kid I, A Hora da Verdade.
Mais uma lição de vida meus caros leitores. Se Daniel conseguiu, nós também podemos!

Só precisamos de muita fé, muito amor e quem sabe um Senhor Miyagi em nosso caminho.
Agora eu vou dormir para recarregar as baterias para amanhã.
Um abraço a todos e obrigada por acessarem este humilde blog!

Bridget Jones 3. Será?

Pegando carona no meu post anterior e aproveitando minha disposição para escrever,quero compartilhar com vocês e principalmente com os fãs da Bridget Jones que uma possível continuação está sendo cogitada, segundo algumas notícias na internet. O próprio Hugh Grant teria afirmado que o roteiro já está sendo construído. No terceiro filme, ele eColin Firth disputarão mais uma vez o amor da jornalista, que estará perto de virar quarentona. Isto significa que o relógio biológico está cada vez mais rápido e que já é hora de ter um bebê. Ou então sua existência na terra e tudo mais que ela fez ou fará não terá nenhum sentido. Pelo menos é assim que ela provavelmente vai encarar a situação.

Sinceramente gostaria muito que houvesse o terceiro e creio último capítulo da saga. Será que verei Bridget finalmente subindo ao altar? Será que a verei grávida, toda atrapalhada com fraldas e mamadeiras?
Seria muito legal se tudo isso acontecesse em 2013, ano do meu casamento. Me casar no mesmo ano de minha heroína seria sim um grande privilégio! E com certeza levarei meu noivo para assistir comigo o terceiro filme. Claro que será uma tortura para ele assistir a uma comédia romântica, mas é tudo em nome do amor.
Tomara que seja mesmo verdade. Já estou sonhando…
Ps: Vi notícia da continuação no site do Diego Almeida: http://pipocamoderna.com.br.

Bjos!

Bridget Jones- A Grande Virada

Hoje é domingo, primeiro dia da semana. Muitas pessoas esquecem esse fato, mas é verdade.
Como prometi, vou falar a respeito das grandes viradas de vida em filmes. E começo pela heroína das solteiras e encalhadas do mundo inteiro: Bridget Jones. Já gostei tanto do filme, que até ganhei o DVD duplo do meu noivo: O Diário de Bridget Jones ( EUA, 2001) e Bridget Jones no Limite da Razão (EUA, 2004).
Bridget merece estar aqui porquê:
No início da saga, ela estava:

*Solteira com mais de 30 anos (Para a sociedade atual, leia-se fracassada)
* Sofrendo com um emprego horrível e ganhando mal ( Para a sociedade atual, leia-se fracassada e sem dinheiro)
* Caindo nas garras do chefe galinha ( Para a sociedade atual, leia-se fracassada, sem dinheiro e burra).

Mas, co contrário do que a maioria poderia pensar, Bridget, interpretada por Renée Zellweger, deu a volta por cima, terminando assim:
* Livrando-se do chefe galinha e ainda por cima dizendo que preferia limpar o … do Saddam Hussein a trabalhar no mesmo lugar que ele.
* Conseguindo um emprego como jornalista, tornando-se uma celebridade, mesmo que para isso tenha pagado o mico de ter seu derrière exposto para milhares de espectadores em rede nacional.
* Namorando o lindo e maravilhoso Mark Darcy.

Viram como é simples minha gente? Não há nada perdido! Agora, se me perguntarem como a heroína Bridget conseguiu tais façanhas, digo para assistirem aos dois filmes da série. Vocês podem até não dar uma virada em suas vidas, mas com certeza darão boas risadas!

Tédio… tédio… tédio….

Já são quase 11 horas da noite e eu não tenho muito a escrever. Preciso muito mudar a minha vida. Dar uma grande virada mesmo. Seja lá o que isto quer dizer. Por isso vou pesquisar sobre filmes em que os personagens deram aquela virada na vida. Sabe como é que é? Passei o dia hoje praticamente a toa naquele serviço miserável. Eu poderia estar aqui produzindo algo interessante. Mas não… Estou em estado de absoluto tédio, que segundo a Wikipédia quer dizer:

O tédio é um sentimento humano descrito estado de falta de estímulo, ou do presenciamento de uma ação ou estado repetitivo – por exemplo, falta de coisas interessantes para fazer, ouvir, sentir etc. As pessoas afetadas por tédio em caráter temporário consideram este estado muitas vezes como perdido, perda de tempo, mas geralmente, não mais do que isto. Alternativamente, alguns acham que ter tempo de sobra também causa tédio. Para as pessoas entediadas, o tempo parece passar mais lentamente do que quando elas estão entretidas. Tédio também pode ser um sintoma de depressão.
Nossa, sou eu!!

A partir de amanhã então se o tédio não me consumir, filmes com grandes histórias de viradas pessoais.
Até lá.
zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Ps; Ontem sapiando a TV me deparei com o filme: Como perder um Homem em Dez Dias. E assistindo algumas partes comprovei mais uma vez minha teoria: comédias românticas só são interessantes para encalhadas na faixa dos 25, 30 anos ou mais que sonham em namorar com o matthew mcconaughey. Excetuando-se a questão da faixa etária, esse não é o meu caso graças a Deus.

Fui!
zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz ( isso quer dizer que eu estou com sono).

Ethan Hawke aos 19 e aos 42. E o filme A Entidade.

Há muito tempo que não apareço aqui. Minha vida continua assim sem grandes novidades. Mas em breve creio que terei algumas para contar. Mas sei que vocês não estão interessados em saber. Eu ia escrever sobre o filme Entidade (Sinister, 2012) que foi o último que eu assisti no cinema. Mas como já saiu de cartaz,vocês também não estão assim tão interessados. Mas para quem ainda está pensando se gasta umas moedas para alugá-lo ou mesmo para adquirir um DVD pirata, digo que vale a pena se esse for o seu caso. Porque ir ao cinema e pagar 21 reais pelas entradas e mais 15 pela pipoca com suco não valeu. Eu não estou mais estudando, então minha entrada era inteira. A do meu namorado meia entrada totalizando R$21.00. Fiquei com dó dele e paguei a pipoca + o suco. Quando vi o preço me arrependi, mas já era tarde demais. O pior é que a pipoca estava horrível. Aí eu pensei: quantos baldes de pipoca aqueles saquinhos que a gente compra por menos de R$ 2,00 fazem? Acho que muitosss. A pipoca do cinema definitivamente é uma safadeza sem tamanho.
Mas vamos ao filme A Entidade: até que não é assim tão ruim. Dá para assustar um pouquinho. O pior é ver como Ethan Hawke está velho depois de Sociedade dos Poetas Mortos. Lembro dele tão lindinho. O mais lindinho de todos. Era para ele ser um quarentão bonitão, mas tá com a cara toda amassada. E mais incrível é que ele passou o filme todo com uma única blusa de frio que tem um detalhe no cotovelo. Será que é para esquentar o cotovelo dele?
Quanto ao filme, eu já disse é até legalzinho, mas na tentativa de ser assustador, muitas e muitas cenas sem sentido para pregar peças e te fazer esperar pelo próximo susto.
Se você me perguntar: Valeu a pipoca e o suco Raquel? Respondo sem pensar meu caro amigo (a): Não, não valeu. Não valeu ver o Ethan velho e não valeu todo o resto.

%d blogueiros gostam disto: