Arquivo mensal: junho 2011

Anúncios

Grande menina, pequena mulher

Hoje estou melhor com relação aos meus problemas estomacais. Então vamos ao filme que eu assisti hoje, já que estou em mais um dia sem novidades no mercado de trabalho, que para mim continua ocioso. Dei uma sapiada pela TV a cabo e acabei me deparando com este: Grande Menina, pequena mulher (Uptown Girls, EUA, 2003). O que me chamou atenção não foi nem a história, mas sim a protagonista do filme, Brittany Murphy, atriz que morreu em 2009, com apenas 32 anos de idade. Me lembro da Brittany novinha num filme que fez parte da adolescência de muita gente: As Patricinhas de Beverly Hills(Clueless, EUA, 1995) no papel da divertida Tai. Quem assistiu ao filme deve se recordar também de Alicia Silverstone, que interpretava a patricinha Cher. Assisti esse filme umas mil vezes e até decorei as falas e também amava o Paul Rudd.
Bom, mas e quanto ao filme que dá título a esse post? É mais uma daquelas comedinhas de valor moral: garota rica que vive ás custas da herança de pai roqueiro, perde tudo e começa a trabalhar como babá de uma garota precoce ( vivida por Dakota Fanning) e as duas acabam descobrindo muitas coisas juntas. Uma coincidência nesse filme é que a personagem de Brittny dá um porquinho para a personagem de Dakota. Três anos mais tarde, a garota protagonizaria o filme A Menina e o Porquinho, que eu aliás, prefiro a versão em desenho.
Então se você gosta da Brittany e da Dakota ficam as dicas.

. Um tira no Jardim de Infância! Amin Khader não morreu!

O objetivo desta primeira página era dar dicas de cinema. Mas resolvi que vou escrever aqui o que eu quiser, afinal o blog é meu! Desculpem, mas na atual conjuntura, é um dos poucos espaços que eu posso chamar de meu. O negócio é o seguinte: estou desempregada, fazendo um estágio horrível só para levantar uma grana até o mês que vem. Fui ao médico e descobri que estou com vermes! Sim, vermes habitam a minha barriga e sugam toda a minha comida! Deve ser por isso que eu estava com uma baita dor de barriga esses dias. Hoje assisti Um tira no Jardim de Infância ( Kindergarten Cop, EUA,1991). Nossa, sessão da tarde pura! Me lembro de ter assistido esse filme na escola, tipo na quarta série, sei lá! O filme tem a gloriosa participação do ex governador da Califórnia e eterno Exterminador do Futuro Arnold Schwarzenegger que vive um policial que tem que se disfarçar de professor de jardim de infância ( daí o sugestivo título do filme) para proteger uma testemunha. Bom, o resto da história vocês podem prever: ele se atrapalha no começo com os alunos e no final dá tudo certo, ele vira ídolo das criancinhas e acaba pegando a mãe de uma delas, que por sinal é a testemunha que ele deveria proteger. Se você não tiver nada, nada, mas nada mesmo para fazer e estiver em depressão profunda feito eu, vale a pena conferir. Ah, e o Amin Khader não morreu, era só boato! Nossa, que alívio para a humanidade!

Previsível. Mas quem não é?

Hoje assisti um daqueles filmes que os ditos intelectuais teriam vergonha de admitir que assistiram. Estou falando de De repente 30 ( 13 Going on 30 , EUA, 2004).O filme é uma espécie de Quero Ser Grande, sucesso com Tom Hanks na década de 80 só que no sexo feminino.A história é a seguinte: garota de 13 anos, rejeitada pelas colegas populares, deseja ter 30 anos, ” a idade do sucesso” e tem seu desejo subitamente realizado. A partir daí inicia-se uma série de confusões, já que a menina agora um corpo de 30 anos e uma mentalidade de 13. Previsível, sim, cine pipoca, sim. Mas é um daqueles filmes que nos fazem sonhar e repensar em atitudes que tomamos quando adultos que não são as melhores. Se você estiver em um daqueles dias de nada para fazer ou mesmo precisando de uma animadinha, vale a pena conferir. Eu que estou chegando na casa dos 30, queria mesmo era fazer o contrário da personagem de Jennifer Garner, Jenna Rink, e voltar a ter 13 anos, a idade em que você ainda pode ser um pouco você mesmo.

Mentes que Brilham

Existem filmes que a gente assiste quando criança e nunca mais esquece. Mentes que brilham (Little Man Tate , EUA ,1988) é um deles. Nem lembro ao certo a primeira vez em que vi este filme. Só sei que a história do garotinho superdotado que não consegue encontrar seu lugar no mundo me comoveu. O pequeno Fred Tate é um garoto de sete anos, superprotegido pela mãe, uma garçonete interpretada por Jodie Foster, que também é a diretora do filme, que não sabe lidar com as habilidades do menino. As coisas se complicam quando o garoto é chamado para estudar em uma escola de superdotados. O mais interessante no filme é acompanhar as dificuldades de relacionamento do menino com o mundo e com a mãe. Uma lição de como todos somos diferentes e precisamos ser valorizados e aceitos. Vale a pena conferir.

Uma dose de Quentin Tarantino

Apresentação1
Um dos diretores muito comentados da atualidade é Quentin Tarantino. Seus filmes são sempre surpreendentes. O diretor usa por exemplo a linguagem dos quadrinhos em Kill Bill, volumes 1 e 2 ( 2003,2004).
Mas o filme de Tarantino que mais me chamou atenção foi Bastardos Inglórios, lançado em 2009. A partir da história do nazismo, já tantas vezes mostrada no cinema, o diretor consegue combinar toques de drama e até mesmo comédia. Fazer rir em um filme sobre nazismo não é para qualquer um. A sequência final no cinema em chamas é uma das melhores que já vi. E a violência como não podia deixar de ser em se tratando de Quentin Tarantino é destaque em muitas cenas. E vale destacar também a presença de Brad Pitt, que neste filme nada lembra o galã de antes. Outro que está impecável é Christoph Waltz no papél do inesquecível Coronel Hans Landa. Fica a dica para vocês!

Bastardos Inglórios está entre os 1001 filmes para Ver Antes de Morrer ( Editora Sextante), por isto ganha nosso selinho de qualidade.

Bastardos Inglórios é uma obra- prima provocante do diretor Quentin Tarantino (…) Centenas de detalhes cuidadosos definem o filme e o transformam em uma obra que qualquer um pode apreciar. Apropriadamente Tarantino, famoso pela paixão pela sétima arte, realiza uma obra em que o cinema é quem ganha a guerra”. ( página 943)

Rebeca, a Mulher Inesquecível ( 1940)

Seguindo a linha filmes antigos, hoje recomendo um clássico de Alfred Hitchcock: Rebeca, a Mulher Inesquecível, filmado em 1940. Com a internet fica muito mais fácil ter acesso a filmes antigos. Baixe e assista. Como minha monografia foi sobre a obra de Hitchcock, então já sabia uma pouco sobre este filme. Só não imaginava que era tão bom. Uma história de conto de fadas que acaba tornando-se um pesadelo. A doce e pobre Rebeca casa-se com o milionário inglês e vai morar em uma mansão. Tudo seria lindo se não fosse a figura assustadora da governanta da casa e outros segredos do mestre do suspense.Então… Surpreenda-se….

Rebeca, a Mulher Inesquecível ( 1940)

Eu Recomendo: O Bebê de Rosemary

 

Mia Farrow em O Bebê de Rosemary (1968)

 

Todo mundo tem aquela listinha básica dos filmes que mais gosta. Aqueles que valem a pena assisitir repetidamente em casa e de preferência acompanhado de muita pipoca e refrigerante.  E existem outros  que de você  tanto ouvir falar, acaba assistindo um dia e se apaixona por eles. Foi assim comigo e o clássico de Roman Polanski, O Bebê de Rosemary ( (Rosemary’s Baby).  Filmado em 1968, o filme é protagonizado pela atriz Mia Farrow, que quase vinte  mais tarde brilharia no também clássico A Rosa Púrpura do Cairo, do diretor Woody Allen.

Gosto sobretudo deste filme pela narrativa, que alia boas doses de suspense a la Alfred Hitchcock, terror e até mesmo comédia. A partir de uma temática que já foi usada exaustivamente no cinema, a vinda de um Anti Cristo, o filme conseguiu manter minha atenção do início ao fim.  Não se preocupem que não vou contar o final da história, mas fica a dica para as suas próximas investidas cinematográficas. E quem sabe você consiga decifrar um mistério que já dura mais de quarenta anos: Afinal, o que há com o Bebê de Rosemary?

%d blogueiros gostam disto: